Fama e ódio à Globo cobram preço caro de Bonner e Renata

Ameaça com faca e terrorismo virtual marcam fase mais tensa da carreira dos apresentadores no ‘JN’

O risco saiu do campo digital e se tornou real. O homem que invadiu a sede do jornalismo da Globo, no Rio, com a intenção de falar com Renata Vasconcellos e que usou uma faca para fazer a repórter Marina Araújo refém, acendeu a luz vermelha na emissora. O principal canal da família Marinho precisa rever o esquema de segurança de seus prédios e funcionários. Especialmente daqueles com maior visibilidade. Renata e o colega de bancada no ‘Jornal Nacional’, William Bonner, são alvos preferenciais.

Em nota oficial, a Globo definiu o atentado como “obra de alguém com distúrbios mentais, sem nenhuma conotação política”. Ainda que o rapaz – desarmado e preso após negociação com a PM e a intervenção corajosa da própria Renata Vasconcellos – sofra de algum transtorno, o episódio não é menos grave do que o terrorismo com propósito político-ideológico. Ressalta que o perigo à vida pode surgir de qualquer um, a qualquer momento.

O fato gerou manifestação empática até do mais obstinado crítico da Globo e do jornalismo do canal. “Repudio completamente qualquer ato de violência contra profissionais da imprensa, o que vai na contramão de nossa defesa histórica e irrestrita da liberdade de expressão e de informação, seja a favor ou contra qualquer governo”, tuitou o presidente Jair Bolsonaro. “Presto solidariedade às jornalistas Marina Araújo e Renata Vasconcellos, que foram alvos desse atentado covarde e inaceitável.”

Fonte: TERRA NOTÍCIAS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *